São Thomé das Letras

Cachoeira do Flávio

Por Nina Marques

A estrada de Lavras para São Thomé é a mesma que vai para Luminárias, porém no trevo, você pega cerca de 40km de estrada de chão até São Thomé.

A estrada, apesar de ser de chão, é boa e a viagem rende.

Cerce de 1h30’ entre as duas cidades.

Cheguei em São Thomé no sábado, que além de feriado prolongado, dia seguinte do show épico de Elba Ramalho, Alceu Valença e Geraldo Azevedo, com a turnê “O Grande Encontro”.

Ou seja, a cidade estava ENTUPIDA. Hehe

TODAS as cachoeiras estavam cheias, Pousadas sem vaga, as estradas de acesso movimentadas e em estado muito ruim.

Mesmo assim insisti em continuar a programação, porém me informei sobre pontos turísticos no sentido da minha rota, que tinha como próxima cidade Cruzília.

Cachoeira da Lua

Sendo assim, segui na direção e visitei a cachoeira da Lua (cerca de 6km do “centro”). Estava muito cheia, só passamos mesmo. Ela fica na beira da estrada de chão e tem acesso muito fácil com entrada gratuita.

Em frente ao acesso a cachoeira, tem um bar que oferece estrutura para alimentação e bebidas, além de banheiros. Não comemos lá, mas fica a dica para quem for passar o dia nesta cachoeira.

Em seguida, segui para Sobradinho, aproximadamente mais 8km de estrada de chão a partir da cachoeira da Lua. Estrada também ruim, mas seguimos… Lá, a entrada para a cachoeira é feita também por um bar. Entrada gratuita, porém não é permitido entrar com bebidas e comidas.

Não há sinalização, mas fomos seguindo o fluxo d´água. Nos disseram que havia um poço bonito e ideal para banho, mas chegamos em um ponto em que a “trilha” pelo percurso d’agua fechou e achamos melhor não arriscar, já que estávamos sem guia ou alguém que conhecia o local.

Sobradinho

Retornarmos um pouco e paramos em um dos pontos mais vazios. Água cristalina, sol e temperatura agradável fez com que ficássemos nos refrescando por um tempo…

A próxima parada era a Cachoeira Véu da Noiva, retornarmos parte da estrada de acesso à sobradinho e já pegamos a estrada sentido Cruzília.

No caminho para a Cachoeira Véu da Noiva, passamos pelas cachoeiras da Eubiose (cobram taxa de entrada, e como estávamos apenas de passagem e com o tempo curto, não visitamos).

Passamos também pela cachoeira do Flávio, próxima a estrada, de fácil acesso e gratuita.

Não possui estrutura de bar, porém no dia haviam “ambulantes” vendendo bebidas, espetinhos, biscoitos, etc.
Após uns 5 minutos de caminhada, chegamos a uma pequena queda, seguindo mais um pouco, chega-se embaixo dela. Local que lembra uma “prainha” com areia e um lago raso para banho e acesso à queda.

Como as demais, estava cheia, mas é um lugar agradável para se passar o dia e pode levar sua comida e bebida.

Cachoeira Véu da Noiva

Seguimos caminhos e chegamos a cachoeira Véu da Noiva! Ela também fica na beira da estrada e é de fácil acesso com entrada gratuita. Possui uma vendinha na entrada com bebidas e “belisquetes” (biscoitos, pipoca, doces, etc) mas assim como as outras estava LOTADA. Huaha
Conheci, tiramos foto e partimos para a próxima!

Cachoeira Antares

Retornando um pouco na estrada e pegando um acesso à direita, seguimos para a Cachoeira Antares. O acesso é por um bar com refeição, bebidas e porções. Entrada gratuita e cerca de 600m de trilha até a queda d’agua.

Uma cachoeira muito bonita e com prática de rapel (guias e profissionais experientes fazem o serviço no local). Não chegamos a ver preço, mas havia bastante gente descendo.

Após visitarmos a Antares, seguimos estrada para Cruzília.

Uma dica para quem for rodar as cachoeiras em São Thomé e seguir viagem, é encher o tanque. Rs

Nesta hora, já estávamos na reserva há alguns kms e para abastecer, teríamos que voltar ao “centro”, cerca de 13km de onde estávamos.

Resolvemos arriscar seguir viagem até Cruzília (28km de estrada de chão) rezando para a gasolina não acabar, pois é próximo posto, seria já chegando na cidade.

A estrada é razoável. Alguns trechos ruins e outros melhores. Não rende tanto quanto Lavras x São Thomé, mas é melhor do que as de acesso às cachoeiras.

Chegamos em Cruzília final da tarde. Parada obrigatória para um café na padaria (o café MAIS BARATO DA MINHA VIDA R$ 0,50) e fomos em busca do tão sonhado posto de gasolina e local para pernoitar.

Abastecemos e após alguns locais, optamos pela pousada Cruzília, logo após a praça e Igreja no centro da cidade.

A Pousada oferece wi fi, garagem, frigobar e possui quartos dos mais simples aos mais sofisticados, com hidromassagem e etc.

Possui restaurante e pizzaria, que funcionam durante o dia e noite. Além de servir café da manhã.

“desmontei” e no dia seguinte segui viagem para Aiuruoca, nossa última cidade antes de retornar à JF.

Blog

Ibitipoca – MG

Ibitipoca, um pequeno vilarejo, onde o turismo vem crescendo e muito nos últimos anos devido a grandes eventos culturais, gastronômicos e esportivos, além das belezas naturais do seu Parque Estadual. Saiba mais…

acesse

Serra Fina

No início de Julho, nossa professora Nina Marques esteve na Serra Fina, um “pedaço” da Serra da Mantiqueira, por sua vez, uma das mais importantes cadeias de montanhas do Brasil. Saiba mais…

acesse

Desafio Rio do Alto – Abril 2018

O desafio Rio do Alto, consta em uma programação completa para a alta temporada de montanhismo 2018.
A proposta é atingir os 10 maiores picos do Rio de Janeiro, dividido em 5 fases. Saiba mais…

acesse